Gestão do Negócio

Dicas de gestão financeira do Sebrae: evite os principais erros que quebram empresas!

Equipe Conta Azul Equipe Conta Azul | Atualizado em: 26/01/2024 | 10 mins de leitura

Sobre o que estamos falando?

  • As dicas de gestão financeira Sebrae se baseiam em dados cuidadosamente obtidos de empresas do país inteiro;
  • Em uma live do Sebrae em parceria com a Conta Azul,  especialistas trouxeram orientações de como evitar os erros comuns que quebram as empresas;
  • Confira neste conteúdo os ensinamentos importantes de Nivaldo Sewaybricker, consultor do Sebrae e dos executivos da Conta Azul Vinícius Roveda e Marcos Perillo.

Experimente grátis a Conta Azul!

 

 

Em uma live com dicas de gestão financeira do Sebrae, o consultor Nivaldo Sewaybricker e os executivos da Conta Azul Vinicius Roveda (CEO) e Marcos Perillo (CFO), trouxeram os cinco principais erros que quebram as empresas. Eles também apontaram como evitá-los.

Essas lições também vieram acompanhadas de outras informações muito relevantes. São elas: exemplos práticos desses erros, formas de acelerar o crescimento do negócio por meio de um bom controle financeiro e muito mais. Ou seja: orientações essenciais para o sucesso da sua empresa.

Muitas pessoas preferem absorver lições através da leitura. Por isso, transformamos a live no texto abaixo, para que você tenha uma forma alternativa de receber essas dicas sobre gestão financeira. 

Faça uma boa leitura!

Dicas de gestão financeira SEBRAE

5 dicas de gestão financeira do Sebrae 

Referência em educação empreendedora e suporte ao empreendedor, o Sebrae se uniu à Conta Azul para compartilhar ensinamentos importantes sobre a gestão financeira empresarial. 

Isso aconteceu por meio de uma live, em que participaram os profissionais Nivaldo Sewaybricker (Consultor do Sebrae), Vinicius Roveda (CEO da Conta Azul) e Marcos Perillo (CFO da Conta Azul).

Na apresentação, eles elencaram problemas comuns que quebram as empresas, o que se deve fazer para evitá-los, o porquê de sua importância e quais as principais consequências de não seguir essas orientações. 

Foram instruções claras e precisas que empreendedores de qualquer nível de experiência poderão compreender. Confira! 

1. Não misture as contas pessoais com as da empresa

É preciso ter disciplina. Ao misturar as contas, dificilmente o empreendedor vai conseguir controlar as finanças da empresa. 

Conforme as movimentações acontecem, o dono do negócio fica sem saber que despesa está sendo paga ou se é uma operação da empresa, do sócio ou do próprio empresário.

Esse erro, como aponta Nivaldo, é gravíssimo e está relacionado totalmente ao controle financeiro. O empreendedor que não prestar atenção a este ponto provavelmente terá dificuldades também em fazer um bom planejamento das suas finanças pessoais e empresariais. 

O correto é estabelecer um valor de retirada (como um pró-labore), conforme seus gastos pessoais, e colocar essa despesa dentro do seu planejamento financeiro. É importante também definir um valor que não prejudicará o negócio. 

Vinicius Roveda sugere que abram-se contas separadas para empresa e a pessoa física, mas não é só isso. O empreendedor deve ter disciplina e separar o seu “eu” como sócio, profissional e pessoa de fora da empresa.

2. Registre todas as entradas e saídas

O dono de negócio precisa anotar, entender e interpretar essas informações. Não faz sentido, dentro da ideia de uma boa organização, apenas fazer as contas no caderninho e focar apenas no saldo.

O empreendedor deve saber claramente quais são as contas a pagar e a receber, e todas elas devem estar em um plano de contas. Dessa forma, ele consegue identificar as maiores despesas e trabalhar a redução de custos sem prejudicar a operação, assim como ter acesso às informações que embasam outras tomadas de decisão.

O registro de entradas e saídas, ter controle de caixa e do estoque, fazer o fluxo de caixa regularmente e elaborar o demonstrativo de resultados são essenciais. Toda empresa deve ter, no mínimo, esses dados para se organizar financeiramente, aponta Nivaldo. 

Roveda também acrescentou que a primeira responsabilidade do empreendedor é controlar o que entra e sai da empresa. Sem isso, não conseguirá pilotar o negócio e, da mesma forma, enfrentará desafios imprevistos.

Conforme a empresa cresce, a situação vai ficando ainda mais crítica. É preciso registrar as informações de contas a pagar e receber de clientes, fornecedores, entre outros. Se não, ele perderá muito dinheiro ao deixar de cobrar e pagar corretamente.

3. Não perca o controle do fluxo de caixa

Marcos Perillo, CFO da Conta Azul, comenta que o segredo da gestão de riscos é ser organizado. E um dos pilares da organização é ter seus números econômicos e financeiros atualizados. Isso nos leva ao fluxo de caixa: para que ele seja bem feito, você precisa conhecer bem a sua empresa e o histórico econômico dela.

Como ela recebe dos clientes e como ela paga? Quais os volumes de recebimentos e de pagamentos? Qual o lucro e a geração de caixa operacional? Essas e outras perguntas devem ser respondidas — e só podem ser feitas com organização do fluxo de caixa. 

Assim, você saberá em que dias faltará e sobrará dinheiro. Com isso, pode tomar decisões, como fazer investimentos ou pedir um crédito. Tudo isso deve estar sempre registrado, de preferência com o auxílio de um contador, profissional que é capacitado para tratar do fluxo de caixa. 

Em complemento, Nivaldo diz que fluxo de caixa não é estudo só do passado. É um instrumento de estudo para planejamento financeiro. Lembre-se de que o caixa é dinheiro, e a empresa é movimentada por ele.

Só assim você saberá, por exemplo, se a empresa está formando o próprio capital de giro. Logo, organização e estratégia são fundamentais para o controle do fluxo de caixa, que por sua vez é fundamental para gestão e planejamento financeiro.

4. Não trate todos os gastos como se fossem iguais

Os custos ligados aos fornecedores ou à atividade de venda são os primeiros gastos a serem considerados. Eles dão noção da lucratividade bruta da empresa. 

Com esse valor, pode-se dimensionar outras despesas para o negócio continuar funcionando e saudável.

É fundamental, então, classificar as despesas — saber quais têm cunho comercial, administrativo, operacional, etc. Se não souber dividir, na hora de economizar, você não saberá onde cortar gastos ou mudar os processos. 

5. Conte com a tecnologia para gerenciar a empresa

Ao fazer gestão financeira da empresa no papel ou só de cabeça, os riscos de erros são enormes. Se você ficar só no Excel, também – é o que afirma Marcos Perillo. Isso mesmo, até as planilhas eletrônicas estão muito suscetíveis à falhas. 

Erros de lançamento e células que você deixa de preencher são problemas comuns no uso do Excel. “A única forma de ter a retaguarda da sua empresa na mão é tendo disciplina e usando um ERP de gestão que permita ter os dados econômicos e financeiros da empresa”, reforça Perillo.

Todos os registros da empresa devem ser feitos, com disciplina e de forma recorrente, por meio dessa ferramenta — e aí você terá mais controle sobre a empresa. Utilize a tecnologia adequada, que é o sistema de gestão integrada.

Assista a live na íntegra:

 

Bônus: 5 pontos para acelerar o crescimento da sua empresa

Os participantes da live deram dicas valiosíssimas dentro da pauta proposta, mas foram além. Há também 5 pontos super importantes de gestão financeira que farão sua empresa acelerar no mercado. Descubra mais abaixo:

Tenha um bom contador e converse com ele

O contador não pode mais ser visto apenas como um “mal necessário” pelos empreendedores. Esse profissional é um aliado importantíssimo no avanço da sua empresa.

Ele é capaz de analisar os seus dados financeiros e organizar suas contas para solucionar gargalos, entender o lucro verdadeiro e ver oportunidades de investimento. 

É fundamental encontrar um bom contador: clique aqui e faça uma busca de um profissional parceiro da Conta Azul. 

Identifique todos os seus custos 

A real situação financeira da sua empresa só se revela quando você identifica todos os seus custos. E estamos falando de todos mesmo. Gastos fixos, variáveis ou até a compra de presentes para seus colaboradores.

Não estamos dizendo para já sair cortando gastos, pois tem muita coisa que é investimento.O que estamos reforçando é a importância de ter uma noção dos custos e até para saber qual capital de giro manter e calcular sua reserva de emergência.

Tenha organização e disciplina

Nenhum método de organização financeira — ou melhor, nenhum processo de organização de qualquer área da empresa — vai funcionar sem disciplina. É necessário manter suas plataformas e sistemas 100% atualizados.

Se for possível automatizar a inserção de dados, faça isso. Há plataformas, como o ERP, que se integram a inúmeras ferramentas digitais para receber e enviar informações em tempo real. E isso inclui conexão com sistemas de contadores, para também facilitar o envio de documentos e relatórios.

Integre os setores do negócio com o financeiro

Conectar as áreas administrativas da empresa agiliza as operações ao mesmo tempo que diminui as chances de erros. Por meio de um ERP, é possível conectar todos os setores do seu negócio. 

Isso significa que, quando um produto for bastante vendido, o relatório do estoque logo aponta uma baixa de mercadorias armazenadas. Automaticamente, seu comercial saberá que é hora de reabastecer.

Essas informações todas são diretamente enviadas ao financeiro, que analisa a possibilidade de investir mais dinheiro naquele momento.

Faça um bom planejamento financeiro

Planejamento é a alma da gestão financeira. Você precisa conhecer seus recursos, mapear as soluções possíveis, ter planos A, B e C, e pensar sempre no futuro. 

Estamos falando mais do que “prevenir é remediar”. Planejamento não é só sobre evitar problemas.

É indispensável ter objetivos de investimento e expansão bem claros nos planos do seu negócio. Com essas informações, poderá estabelecer metas de lucratividade, faturamento e rentabilidade, assim como criar as estratégias, táticas e mecanismos para chegar lá.

O planejamento financeiro empresarial precisa ser consistente. O empreendedor deve acompanhar de perto cada valor que entra e sai da conta. O contador ajuda nessa vistoria, mas o dono do negócio deve controlar de perto todas as movimentações. 

Aprenda como fazer um planejamento empresarial inteligente e dentro das necessidades de um negócio. Nós ensinamos esse processo em um passo a passo prático e completo: clique aqui e confira agora! 

Leia mais

Leia também

Sem mais posts para exibir.