Gestão

Como melhorar os relatórios contábeis e evitar erros no processo?

Equipe Conta Azul Equipe Conta Azul | Atualizado em: 26/03/2024 | 9 mins de leitura

Sobre o que estamos falando?

  • Os relatórios contábeis exibem todas as movimentações financeiras do negócio e podem ser usados para a tomada de decisões estratégicas;
  • É essencial que você, contador, conheça os principais tipos de relatórios contábeis e como funcionam, bem como utilizar de boas práticas para que um bom serviço contábil seja entregue aos seus clientes;
  • Para descomplicar a criação desses relatórios, conte com a Conta Azul Mais, sistema de gestão financeira para contadores e escritórios de contabilidade.

Experimente a Conta Azul Mais!

Os relatórios contábeis são documentos essenciais para empreendedores feitos pela contabilidade. O contador ou o escritório contábil precisa conhecer bem o processo para oferecer um serviço que encante a base atual e atraia novos clientes.

Entenda o que são os relatórios contábeis, quais são seus objetivos, a importância, os principais tipos e como a tecnologia potencializa esse trabalho. Acompanhe os próximos tópicos!

Os relatórios contábeis exibem todas as movimentações financeiras do negócio e podem ser usados para a tomada de decisões estratégicas;

O que são relatórios contábeis?

Os relatórios contábeis, chamados demonstrativos ou informes contábeis,  são documentos que descrevem todos os dados financeiros de uma empresa em um determinado período. Por exemplo: custos, impostos, despesas, investimentos, empréstimos, etc.

Esses documentos podem ser arquivados de forma física ou virtual. E, o importante é que estejam de fácil acesso para consultas rápidas, onde os gestores possam usá-los para tomadas de decisão sobre investimentos, projeções financeiras e até cortes de gastos desnecessários.

Os demonstrativos contábeis podem ser realizados uma vez por mês, a cada três meses ou de forma anual. Essa definição depende do volume de movimentações financeiras e das necessidades específicas da empresa.

Principais tipos de relatórios contábeis

Você, contador, precisa ficar atento às categorias dos relatórios contábeis. Existem duas: as obrigatórias e as não obrigatórias. A seguir, falamos sobre cada uma delas!

Balanço Patrimonial

O balanço patrimonial (BP) é obrigatório. Esse documento registra as receitas, despesas, dívidas e obrigações fiscais do negócio. O objetivo é identificar o quanto de capital a empresa tem em mãos (patrimônio líquido) e o quanto tem em dívidas (passivos).

Conforme o Código Civil, o balanço patrimonial deve ser realizado ao término de cada exercício da empresa (no começo ou final do ano). A exceção vai para os Microempreendedores Individuais (MEIs), que não precisam fazer o BP.

Demonstrativo de Fluxo de Caixa (DFC)

O DFC não é exigido por lei, exceto para empresas com patrimônio líquido anual superior a R$ 2 milhões ou sociedades de capital aberto. No entanto, é importante que seja feito em todos os tipos de empresas. Isso porque as informações do demonstrativo de fluxo de caixa ajudam os gestores a tomar decisões estratégicas para o negócio.

Entre os dados do DFC, estão:

  • Atividades operacionais: custos, despesas, contas a receber etc;
  • Atividades de investimento: capital investido e retorno sobre o investimento;
  • Atividades de financiamento: empréstimos adquiridos.

Demonstrativo de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA)

O demonstrativo de lucros ou prejuízos acumulados faz parte dos relatórios obrigatórios para empresas de grande porte ou de capital aberto (conhecidas como sociedade de lucro real), segundo a lei n0 6.404/76 e a RIR/99.

A finalidade da DLPA é apresentar as alterações realizadas no patrimônio líquido em um determinado período. Dessa forma, a empresa entende se houve um aumento no lucro ou prejuízo acumulado.

Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR)

O DOAR é obrigatório para as sociedades anônimas (lei no 11.638/07). Esse relatório contábil mostra as movimentações financeiras que dizem respeito a financiamentos e investimentos feitos pela empresa.

Por meio da demonstração das origens e aplicações desses recursos, os gestores e empreendedores podem planejar as finanças do negócio a curto, médio e longo prazo.

Demonstrativo de Resultado do Exercício (DRE)

Esse tipo de informe contábil é obrigatório para todas as empresas, exceto MEIs. Sua obrigatoriedade está na já citada lei no 11.638/07. Na prática, o DRE é feito em conjunto com o balanço patrimonial.

Nele, o contador lança as receitas brutas e as deduções e obtém a receita líquida. Ao analisar esses dados, é possível visualizar o cenário real da saúde financeira do negócio. O resultado pode ser a tomada de decisões que aumentem a lucratividade e reduzam custos desnecessários.

Demonstrativo do Valor Adicionado (DVA)

O DVA não é obrigatório para a maioria das empresas, mas é para as de capital aberto. Esse tipo de demonstrativo contábil mostra quanto dinheiro foi inserido no patrimônio da empresa em um determinado período.

Desse modo, o negócio consegue distribuir os ganhos entre todos os que participaram ou têm parte no valor da produção interna. Por exemplo: acionistas e sócios, financiadores, colaboradores e órgãos governamentais (Fisco).

Para resumir quais relatórios são ou não obrigatórios, veja o quadro abaixo:

Relatórios contábeis obrigatórios

Relatórios contábeis não obrigatórios

Balanço Patrimonial (BP)

Exceto para MEIs.

Demonstrativo de Fluxo de Caixa (DFC)

Exceto para empresas com patrimônio líquido anual superior a R$ 2 milhões ou sociedades de capital aberto.

Demonstrativo de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA)

Para as empresas de grande porte ou de capital aberto, conhecidas como sociedade de lucro real.

Demonstrativo do Valor Adicionado (DVA)

Exceto para empresas de capital aberto.

Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR)

Para as sociedades anônimas.

 

Demonstrativo de Resultado do Exercício (DRE)

Exceto para MEIs.

 

Qual é a importância desses relatórios para empreendedores?

Os relatórios contábeis são os documentos mais importantes para clientes de escritórios de contabilidade ou do empreendedor contábil, uma vez que mostram a evolução patrimonial e econômica do negócio. Eles permitem elaborar estratégias e traçar projeções financeiras.

Em resumo, os relatórios contábeis sinalizam o melhor caminho para o financeiro dos clientes. Por isso você, como contador, precisa realizar esse processo com eficiência. O envio desses demonstrativos para os clientes pode integrar as boas práticas da contabilidade consultiva, por exemplo.

Nesse modelo de negócio, você deve utilizar dados financeiros dos clientes para diagnosticar problemas, propor soluções, reconhecer oportunidades e potencializar a saúde financeira da empresa.

Com essa parceria estratégica, contador e cliente atuam juntos para o alcance da prosperidade financeira e a expansão do negócio.

Em resumo, podemos dizer que os relatórios contábeis são ferramentas que podem – e devem – ser usadas por contadores parceiros, que visam o melhor para seus clientes.

Os relatórios contábeis são os documentos mais importantes para clientes de escritórios de contabilidade ou do empreendedor contábil, uma vez que mostram a evolução patrimonial e econômica do negócio. Eles permitem elaborar estratégias e traçar projeções financeiras.

Como fazer um bom relatório contábil e evitar erros?

Os escritórios de contabilidade precisam ficar sempre atentos a como elaboram os demonstrativos. Um simples descuido pode resultar em prejuízos para o cliente e, para que isso não aconteça, algumas boas práticas devem ser adotadas:

Acompanhe todos os valores

Se você não acompanhar de perto os valores financeiros do cliente, os registros do relatório contábil podem ser feitos incorretamente. Sendo assim, antes de qualquer lançamento no demonstrativo, é importante identificar e categorizar as movimentações. É essencial também reconhecer possíveis diferenças nos valores finais e procurar os motivos disso.

Tenha um bom plano de contas

O plano de contas é a lista de todos os registros feitos na empresa. Esses dados vêm de movimentações, balanços, demonstrações, produtos e subprodutos do negócio. O ideal é que cada lançamento seja feito de forma separada e à medida que ocorrem.

Quanto melhor for a organização do plano de contas, maior será a credibilidade que você passará para o cliente.

Conte com um bom sistema

Você pode otimizar a eficiência dos seus relatórios contábeis por meio de um sistema de gestão financeira, como a Conta Azul Mais. Com a ajuda de uma ferramenta assim, todos os cálculos são feitos de forma automática, rápida e precisa.

Outra vantagem é a integração do sistema com outras tecnologias. Dessa forma, os dados dos setores da empresa são importados automaticamente. Logo, você terá todas as informações necessárias para elaborar um demonstrativo claro e eficaz para encantar seu cliente.

Quer dar mais apoio aos seus clientes? Conte com a Conta Azul!

Uma das melhores maneiras de ajudar seus clientes a ficarem com a gestão contábil em dia é com a ajuda da Conta Azul Mais.

A tecnologia permite que você, contador, migre os dados do escritório para a nuvem e fique conectado em tempo real com as movimentações financeiras dos clientes. Além de ganhar produtividade e competitividade, além disso é possível:

  • Integrar as áreas financeira, contábil, fiscal e tributária;
  • Eliminar o retrabalhado e os erros de lançamento;
  • Exportar e importar os lançamentos para o sistema;
  • Automatizar rotinas;
  • Gerar autonomia para os clientes, que podem realizar toda a gestão financeira pelo ERP Conta Azul.

O que acha de melhorar a eficiência e a qualidade dos relatórios contábeis para seus clientes? Gostou da ideia? Então, não perca tempo!

Veja agora mesmo como a Conta Azul Mais disponibiliza a integração com contadores e clientes no sistema!

Leia também