Inovação e Tecnologia

O que é o Drex e como sua chegada impactará as empresas?

Equipe Conta Azul Equipe Conta Azul | Atualizado em: 14/12/2023 | 8 mins de leitura

Sobre o que estamos falando?

  • Antes conhecido como “Real Digital”, o Drex é a versão digitalizada do Real, a moeda oficial do Brasil. Ele não é uma criptomoeda nem um meio de pagamento;
  • Sua implementação ainda está em fase de testes, mas não deve demorar para entrar em circulação e trazer diversas mudanças para o mercado financeiro;
  • Saiba mais sobre os impactos que o Drex trará para as empresas e prepare-se para essa novidade!

Vanguardista no uso de tecnologias do setor financeiro, recentemente o Brasil transformou a economia do país com diversas soluções inovadoras. 

Além do Pix, que já se tornou o meio de pagamento mais usado pelos brasileiros, o Open Banking e o Open Finance garantem mais praticidade e vantagens para as empresas e a população em geral.

A próxima inovação que trará grandes impactos para o setor financeiro é o Drex. Antes conhecido como “Real Digital”, ele será a versão digitalizada da moeda oficial do Brasil, que deve chegar até o final de 2024. 

Para entender mais sobre o Drex e como será seu funcionamento, navegue pelo conteúdo a seguir:

Uma pessoa analisando um gráfico digital

O que é o Drex?

O Drex é uma versão virtual da moeda oficial do Brasil, o Real, e foi criado pelo Banco Central (BACEN) para melhorar a eficiência de transações financeiras e oferecer novas possibilidades de serviços financeiros à população.

Classificado como uma CBDC (Central Bank Digital Currency ou “Moeda Digital Emitida por Bancos Centrais”), o Drex possuirá o mesmo valor e a mesma aceitação do papel-moeda.

Uma curiosidade é que essa nomenclatura foi pensada de forma a transmitir as suas principais características. O “D” se refere a “digital”; O “R”, a Real; o “E” a “eletrônico” e o “X” a conexão.

O Drex está em fase de testes, mas a expectativa do BACEN é que seja disponibilizado ao público até o final de 2024, data em que o Real comemora 30 anos.

Por enquanto, a instituição está estudando como funcionará a privacidade no sistema, com a questão do uso de dados pelo BACEN para monitorar as transações realizadas.

O Drex não vai eliminar a circulação de dinheiro em papel ou moedas físicas — apenas reduzi-la. Mesmo assim, com sua chegada o comércio será mais dinâmico e a economia deve ser aquecida. 

Como o Drex funcionará?

O Drex só funcionará para transações virtuais. A moeda digital será acessada por meio de carteiras digitais, que ficam sob a responsabilidade de bancos ou outras instituições financeiras, mediante autorização do BACEN.

É assim que as pessoas físicas vão acessar a moeda digital brasileira, como um “token”, de forma intermediada. Já os bancos e instituições financeiras poderão acessar o Drex diretamente junto ao BACEN, da mesma forma que já fazem com o Real físico.

Ainda não se sabe se o Drex terá algum custo nas suas transações, mas provavelmente seu uso será gratuito ou a taxas baixas, ganhando vantagem sobre os valores de operações feitas com cartão de crédito, por exemplo.

O Drex é uma criptomoeda?

Respondendo de forma direta: o Drex não é uma criptomoeda. Apesar de usar a mesma tecnologia das criptomoedas para sua criação – o blockchain -, o Drex não entra nessa categoria e, como falamos acima, é classificado como uma CBDC.

As diferenças entre as duas moedas digitais são:

  • Uma CBDC é uma versão digital da moeda oficial de um país, é emitida e fiscalizada por um órgão governamental (no caso do Brasil, o BACEN) e tem o mesmo valor da moeda oficial, sem variações de preço. Dessa forma, 1 Drex sempre será igual a R$ 1;
  • Uma criptomoeda é uma alternativa ao sistema monetário tradicional e não tem uma autoridade central de emissão ou regulação. Além disso, seu valor pode variar. Por exemplo, um Bitcoin, que foi a primeira criptomoeda criada, atualmente equivale a mais de 200 mil reais, e essa cotação pode mudar ao longo do tempo.

Qual a diferença entre o Drex e o Pix?

A principal diferença é que o Pix é um meio de pagamento e transferência digital de dinheiro, enquanto o Drex é o próprio dinheiro, só que emitido digitalmente.  

Para exemplificar, o Pix é como o TED e o DOC, ou seja, transações que permitem a transferência virtual de valores. Porém, diferente desses dois últimos, ele é feito de forma instantânea.

Já o Drex é a moeda oficial do Brasil em formato virtual e só poderá ser usada em transações digitais. A diferença para o dinheiro que temos atualmente em contas digitais é que ele foi emitido em cédulas ou moedas, ou seja, é a representação virtual de um valor que existe de forma física. 

Também é importante esclarecer que uma tecnologia não substituirá a outra. Inclusive, você poderá fazer um Pix de Drex, em vez de reais. O que vai acontecer é que o Drex trará novas possibilidades de transações e serviços digitais.

Qual o objetivo do Drex?

O Drex foi criado com os objetivos principais de diminuir os custos de transações financeiras e torná-las mais seguras e ágeis, além possibilitar inovações nessa área. 

Com isso, também são esperadas a melhora na eficiência do mercado de pagamentos de varejo e a inclusão de mais pessoas no mercado financeiro, ao facilitar o acesso a investimentos, empréstimos e compras de títulos públicos.

Leia também: O que é a segurança da informação, quais os seus pilares e como proteger seu negócio

Quais as vantagens do Drex?

Além de diminuir os custos com a impressão de dinheiro em papel e facilitar a rotina das empresas e da população para transações financeiras, outras vantagens do Drex são:

  • Mais rapidez nas transações, já que o processo ocorrerá em questão de segundos. Isso será possível porque as transferências, especialmente as de altos valores,  não irão precisar de confirmação de saldo para serem aprovadas;
  • Mais segurança contra roubos, furtos, fraudes, ataques digitais e também contra lavagem de dinheiro;
  • Acesso para pessoas que não possuem contas bancárias;
  • Transações internacionais sem conversão de moeda e taxas;
  • Uma maior regulamentação do BACEN, que poderá monitorar todas as movimentações financeiras com a segurança da tecnologia blockchain.

Como o Drex irá transformar as transações financeiras?

Um dos objetivos da criação do Drex, como já apontamos, é viabilizar inovações no sistema financeiro. Isso traz inúmeras possibilidades para criação de novos serviços financeiros que transformarão o mercado e a economia.

Entre elas, estão a criação de contratos inteligentes, que facilitarão a compra e venda de imóveis e veículos. Com ele, o dinheiro será transmitido automaticamente após o cumprimento dos termos do contrato – por exemplo, a transferência do bem para o nome do novo proprietário.

Outra possibilidade é a digitalização de bens em forma de tokens (representação eletrônica de um ativo real), o que facilitará seu uso como garantia para empréstimos. Como consequência disso, os juros podem ficar mais baratos.

Por fim, estima-se que também será possível a troca de investimentos entre pessoas, a compra de frações de títulos e o envio de dinheiro para o Exterior de forma mais barata.

Qual será o impacto do Drex para as empresas?

Além de todas as mudanças e vantagens que já listamos acima, especificamente para as empresas, o Drex trará mais oportunidades de negócios por proporcionar mais facilidade de pagamentos no Exterior, o que pode possibilitar a contratação de fornecedores internacionais e a venda de produtos e serviços para fora.

Dessa forma, mesmo pequenos empreendedores podem se beneficiar. A redução de custos com taxas e tarifas aliada a menos burocracia e prazos também ajuda as empresas a lucrarem mais com um aumento de vendas e negociações mais vantajosas.

Novas tecnologias exigem mais formas de proteção 

Manter seu negócio atualizado com as novas tecnologias é essencial para não perder oportunidades de vendas e bons acordos.

Porém, com a chegada de mais uma tecnologia financeira como o Drex, as empresas precisam investir em segurança digital para proteger a si mesmas e também aos seus clientes. Saiba como garantir a segurança digital do seu negócio!

Leia também