Quais são os tipos de regime tributário e como escolher o ideal?

Sobre o que estamos falando?

  • Definir o regime tributário certo para o seu negócio é indispensável, seja para evitar irregularidades ou mesmo para não pagar mais impostos que o necessário;
  • Enquanto o Simples Nacional possui a carga tributária mais baixa e menos complexa, o Lucro Presumido tem alíquotas incidentes sobre valores fixos. Já o Lucro Real é baseado nos ganhos reais do negócio no período de apuração;
  • A Conta Azul agrega mais segurança e vantagens para o enquadramento, com um sistema que organiza e automatiza todos os processos e rotinas ligadas aos impostos.

Experimente grátis a Conta Azul!

 

 

 

Você já sabe qual é o regime tributário mais adequado para a sua empresa? 

Todo empreendedor sabe que precisa ficar em dia com as cobranças do governo para não ter dores de cabeça. Seja para evitar multas, ilegalidades ou até problemas na imagem do negócio, os impostos precisam estar sempre em dia.

O problema é que nem sempre é fácil manter tudo sob controle. Para você ter ideia, 86% das empresas brasileiras têm pelo menos uma irregularidade fiscal ou tributária, segundo dados da FGV publicados no portal do Senado. 

Ou seja, é indispensável saber bem como os impostos e os regimes de tributação funcionam e quais são as suas principais obrigações. Afinal, é o funcionamento do seu negócio que está em jogo. 

Sabendo disso, preparamos este conteúdo para esclarecer os detalhes mais importantes sobre o assunto. Nos seguintes tópicos você vai conhecer as particularidades de cada tipo de regime tributário, como escolher o modelo certo e quais as melhores ferramentas para facilitar os seus controles:

 

quais-sao-os-tipos-de-regime-tributario-e-como-escolher-o-ideal

 

Quais são os tipos de regime tributário

Como você já deve saber, o regime tributário é o que define como será a cobrança de impostos de uma empresa.

Ele é estabelecido com base em alguns fatores específicos. Isso inclui o montante de arrecadação do negócio, o tipo de atividade que ele exerce, o porte, etc. 

Atualmente, os regimes de tributação mais adotados no Brasil incluem o Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real. Veja como cada um deles funciona: 

Simples Nacional

Podemos dizer que o Simples Nacional é o regime tributário mais vantajoso para as empresas que conseguem se enquadrar nele.

Isso porque o modelo garante alíquotas menores e também simplifica a agenda tributária do empreendedor.

Nele, 8 tributos são reunidos:

  • PIS;

  • IPI;

  • Cofins;

  • CSLL;

  • ICMS;

  • ISS;

  • Imposto de Renda de pessoa jurídica;

  • E, eventualmente, o INSS patronal. 

Para aderir ao Simples, é necessário cumprir algumas obrigações. As principais são:

  • Ter faturamento anual de até R$4,8 milhões;

  • Controlar o livro caixa e o livro razão e fazer o envio da Declaração Anual do Simples Nacional (DASN) e Sintegra/SPED;

  • Não é possível se creditar de impostos na entrada de mercadorias;

  • Não destaca impostos da NF-e, com exceção de casos específicos da legislação (CSOSN 101, 201, 900).

Dentro deste regime tributário, os trabalhadores autônomos ainda podem trabalhar como Microempreendedores Individuais (MEIs).

Nesses casos, uma única guia de recolhimento, chamada de DAS, deve ser usada para cumprir as obrigações de impostos mensalmente.

Para isso, o limite de faturamento é de até R$ 81.000,00. Também é vedada a participação do empreendedor em outra empresa como titular ou sócio. Quem opta pelo MEI ainda pode ter um empregado que receba o piso da categoria ou salário mínimo.

As atividades permitidas são definidas pelo Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN, Anexo XIII da Resolução CGSN n. 94/2011) e podem ser conferidas neste link dentro do portal do Governo Federal.

Lucro Presumido

Qualquer empresa com faturamento anual que não ultrapasse R$ 78 milhões pode se enquadrar no Lucro Presumido.

Neste regime tributário, também há a simplificação dos impostos. São apurados o CSLL e o IRPJ, pagos trimestralmente.

A incidência dos tributos é baseada em valores definidos pela Receita Federal. No Imposto de Renda, as alíquotas são de 15% ou 25% sobre o faturamento. Já no CSLL, são de 9%. 

Além do limite de faturamento, as obrigações do Lucro Presumido também incluem:

  • Envio do SPED ICMS-IPI, PIS-Cofins;

  • Possibilidade de crédito somente de cms (e, quando for o caso, IPI). 

Lucro Real

Por fim, o Lucro Real é aquele onde a apuração é feita sobre os lucros que a empresa teve de fato.

Ou seja, o cálculo é feito sobre a soma das receitas subtraídas dos custos e das despesas (que é o que determina o lucro “real” do período de apuração). 

O cálculo pode ser trimestral ou anual. Além disso, as alíquotas são as mesmas do regime tributário anterior (15% ou 25% IRPF sobre o faturamento e 9% CSLL sobre faturamento).

Inclusive, qualquer tipo de empresa pode optar pelo Lucro Real. Contudo, há a exigência de enquadramento quando o faturamento anual for maior que R$ 78 milhões.

Somado a isso, as obrigações da categoria incluem: 

  • Envio do SPED Icms-IPI, ECD, Pis-Cofins Contábil, e-Social, entre outras obrigações;

  • Possibilidade de crédito de Icms, Cofins, Pis (e, quando for o caso, IPI). 

Como escolher o modelo de regime tributário ideal

Saber como optar pelo modelo de tributação mais adequado é indispensável. Afinal, isso evita irregularidades e até que você pague impostos desnecessários e gaste mais do que poderia. 

Como você pôde ver acima, o único regime tributário que aceita o enquadramento de qualquer tipo de empresa é o Lucro Real.

Contudo, apesar da abrangência, essa é justamente a opção que tem a tributação mais complexa.

Para simplificar sua agenda tributária, é preciso atenção. Afinal, existem algumas restrições para fazer parte do Lucro Presumido e muitas outras para desfrutar dos benefícios do Simples Nacional. 

Seja para abrir as portas do seu negócio ou mesmo para alterar o seu modo de tributação, é indispensável ter atenção a diversos fatores.

Vale citar que isso vai muito além das obrigações que apresentamos para você nos regimes de tributação mencionados no item anterior.

Afinal, diversos aspectos podem definir qual é a opção mais vantajosa e segura para o caso da sua empresa.

Antes de tudo, você precisa ter um controle completo e compreender cada detalhe sobre a sua realidade fiscal e tributária.

A resposta para essa demanda está nos melhores ERPs da área, como é o caso do sistema Conta Azul.

Mais que simplificar toda a gestão do seu negócio e agregar tudo o que você precisa para lidar com seu regime tributário, ele também integra as informações com a contabilidade.

Ou seja, de forma simples, prática e intuitiva, você garante mais domínio sobre a sua situação legal e ainda facilita a comunicação sempre que precisar do apoio do profissional contábil de confiança.

Nos próximos itens, vamos explicar melhor quais são as vantagens de contar com a Conta Azul e como você pode configurar o seu regime tributário dentro da plataforma. 

quais-sao-os-tipos-de-regime-tributario-e-como-escolher-o-ideal-2

Configurando seu regime tributário com a Conta Azul

Antes de nos aprofundarmos nos benefícios que a Conta Azul pode agregar à sua gestão, queremos mostrar como é fácil configurar o seu regime tributário no sistema.

Primeiro, é só acessar o símbolo de engrenagem que fica no canto superior direito da plataforma. Feito isso, siga as etapas:

  • Clique em “Dados da empresa”;

  • Na tela que será aberta, selecione se você é optante ou não do Simples Nacional;

  • Para isso, é só escolher “Sim” se você for do Simples ou SIMEI;

  • Caso você se enquadre no Lucro Real ou Presumido, clique em “Não”.

Com as alterações realizadas, a principal diferença no sistema será os campos utilizados para a tributação. Isso inclui a situação tributária, PIS, ICMS e Cofins. No caso do Lucro Real e Lucro Presumido, por exemplo, os campos habilitados para você preencher serão os mesmos. 

Mas afinal, quais diferenciais a Conta Azul garante para gerir seu regime tributário? Confira logo abaixo. 

A Conta Azul facilita a gestão fiscal e tributária para você!

Agora que você já sabe a média que cada empresa paga de impostos, quais as obrigações de cada regime e quais os cuidados para escolher a opção ideal, vamos às possibilidades oferecidas pela Conta Azul. 

Depois de fazer a configuração rápida que explicamos acima, você já pode contar com o melhor sistema para organizar e automatizar seus impostos.

Feita a definição do regime tributário no emissor de notas fiscais, a rotina do seu negócio é simplificada e pode ser gerida com poucos cliques.

Para facilitar a gestão financeira e os seus processos comerciais, todas as notas emitidas são automaticamente integradas às contas a receber e ao seu financeiro. 

Além disso, caso a sua empresa deixe de se enquadrar no Simples Nacional, por exemplo, o sistema envia um alerta imediatamente. Dessa forma, você pode checar a sua situação em tempo real e evitar qualquer tipo de inconformidade. 

A melhor parte é que você pode integrar tudo com a contabilidade. Ao facilitar o compartilhamento de dados, todos os cálculos e apurações se tornam mais eficientes, assim como seu planejamento tributário, escrituração e outras demandas essenciais. 

Que tal experimentar os diferenciais da Conta Azul na prática e descobrir por que somos a melhor solução para simplificar a gestão do seu negócio?

Clique aqui e teste grátis a Conta Azul!

 

Emita Notas Fiscais de sua empresa dentro de um sistema de gestão para evitar erros

 

 

Newsletter

Quer ter acesso a
materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:*