Open Banking no Brasil: tudo sobre a implementação e suas fases

Sobre o que estamos falando?

  • O Open Banking é uma inovação que está cada vez mais próxima;
  • A medida está sendo projetada para agilizar o fluxo de operações e dar poder de escolha ao consumidor do setor financeiro;
  • Segundo o Banco Central, o Open Banking deve ser implantado oficialmente no Brasil no dia 15 de dezembro de 2021;
  • A Conta Azul não vai ficar de fora e já está se preparando para transformar a realidade bancária!

Experimente grátis a Conta Azul!

 

 

O Open Banking no Brasil é uma realidade que se aproxima cada dia mais. Sua chegada deve gerar impactos em todo o mercado financeiro, elevando a competitividade entre instituições do segmento e entregando mais praticidade ao cliente.

Isso significa que as instituições participantes — aquelas que cumprem os requisitos de regulação pelo Banco Central — formarão um ecossistema aberto e propício para o compartilhamento seguro de dados (mediante autorização dos usuários, é claro). 

A medida deve agilizar o fluxo de operações e dar poder de escolha ao consumidor do setor financeiro.

No Brasil, essas mudanças vão trazer competitividade para um mercado que vive em uma certa zona de conforto. Os bancos e fintechs serão desafiados a pensar em soluções cada vez mais alinhadas com as expectativas de consumo

As pessoas, por sua vez, serão as detentoras de seus dados - e não as empresas. Isso dá mais autonomia na tomada de decisão, especialmente quando o assunto é a migração entre instituições. Todo o processo será feito com menos burocracia e mais segurança. 

Tudo isso ainda está em fase de estruturação gradual. As mudanças começarão a causar impactos mesmo a partir da segunda metade de 2021. 

Mas, não se preocupe! Se você ainda tem dúvidas sobre como vai funcionar a chegada do Open Banking no Brasil, abaixo explicamos por etapa por etapa:

Continue a leitura para saber mais sobre o funcionamento do Open Banking no Brasil!

Um sistema de gestão que conecta as áreas da sua empresa: do financeiro ao comercial

Quem está implementando o Open Banking no Brasil?


O Banco Central é quem está implementando o Open Banking no Brasil. Ele autoriza e regulamenta as instituições financeiras participantes, e também cuida da supervisão do ecossistema financeiro em todo o país.

Sua atuação deve garantir a qualidade, a padronização e a confiabilidade dos processos, funcionando como um órgão regulamentador. 

Isso é muito importante para fiscalizar as instituições e garantir que somente aqueles em conformidade com a lei possam oferecer, vender e intermediar serviços financeiros com as facilidades do Open Banking.

Além de fazer essa espécie de regulamentação, o papel do BC é fundamental para dar tranquilidade e segurança ao cliente em todas as operações.

Crie relatórios empresariais em poucos cliques  DRE, relatórios de vendas ou serviços e fluxo de caixa. Tudo na Conta Azul Pro. Experimente grátis  Não precisa de cartão, nem de cadastros complexos

Qual é o prazo de implementação do Open Banking no Brasil?

 

Com a pandemia, a implementação do Open Banking no Brasil sofreu um adiamento. A projeção do Banco Central é que todas as etapas sejam feitas até o dia 15 de dezembro de 2021.

Quais são as fases do Open Banking no Brasil?

 

Basicamente, as fases do Open Banking estão divididas em 

A implantação, que começou em 01 de fevereiro deste ano, foi dividida em quatro etapas. Veja mais informações sobre cada uma delas, a seguir:

Etapa 1


A primeira etapa aconteceu em fevereiro de 2021, quando as empresas interessadas em participar do Open Banking passaram a compartilhar informações sobre seus produtos.

O objetivo foi gerar uma base única de dados para soluções oferecidas no mercado;

Ainda que o compartilhamento com clientes não tenha ocorrido, a coleta de dados criou um banco que será indispensável quando o Open Banking estiver na ativa.

Etapa 2


No dia 15 de julho, foi iniciada a segunda fase, que foca no compartilhamento de dados de clientes entre as instituições participantes.

Esse compartilhamento só ocorrerá caso o cliente autorize previamente, algo que está previsto na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). 

As informações trocadas entre empresas são dados cadastrais e históricos de transação.

Vale lembrar que a finalidade de uso desses dados e o prazo de disponibilidade devem estar definidos nos termos de ciência que os clientes assinarem (digital ou fisicamente) ao permitir o compartilhamento.

Etapa 3


Em 30 de agosto de 2021, a terceira fase foi colocada em prática. Nela, foi realizado o compartilhamento de serviços de pagamento. 

Isso significa que, após a conclusão da etapa 3, os clientes poderão acessar serviços de pagamento fora do banco - e não só nos canais que ele disponibiliza.

Isso acontecerá porque o histórico e as informações financeiras, ao serem compartilhados com outras instituições, permitirão os pagamentos no ambiente desejado pelo cliente. Ou seja, cai por terra a obrigação de usar o app ou sistema bancário de origem.

Como os dados estarão compartilhados, outra instituição poderá acessá-los para que o cliente pague o que precisar, desde que exista a integração entre ambas.

Etapa 4


Na etapa de conclusão da implementação do Open Banking no Brasil, uma expansão ainda maior será feita. Ela está prevista para o dia 15 de dezembro deste ano.

Todas as facilidades construídas para pagamentos serão replicadas em outros produtos e operações financeiras. Estão incluídas nessa lista:

  1. Operações de câmbio;
  2. Realização de investimentos;
  3. Aplicações em previdência;
  4. Contratação de seguros.

Tudo isso poderá ser executado com o Open Banking, o que vai permitir às pessoas comparar as melhores oportunidades e fazer escolhas com mais segurança.

Impacto do Open Banking no Brasil para empresas financeiras

 

A implementação do Open Banking no Brasil traz diversos impactos para as empresas financeiras. Nesse sentido, eles representam desafios, mas também oportunidades para muitas delas. Confira os principais:

Competitividade entre instituições financeiras


Vale lembrar que, para os grandes bancos, o Open Banking será obrigatório. Isso deve diminuir a concentração de uma grande fatia do mercado. 

As fintechs e os bancos menores poderão se tornar mais competitivos e "bater de frente" com os maiores nomes do segmento

A tendência é que a oferta seja ampliada, permitindo que cada instituição crie sua própria estratégia de captação de clientes.

O Pix já vinha causando essas transformações, pois ao facilitar transações, permitia que instituições menores disponibilizassem os pagamentos mais básicos.

Antes, dependendo da conta que o cliente tinha a pagar, as empresas não conseguiam competir. Isso pelo desafio das taxas e das concessionárias. Agora, com o novo sistema, isso não ocorre mais. O acesso se tornou mais fácil, desburocratizado e ágil a todos.

Esse cenário mostra o quanto a evolução digital na área financeira está beneficiando diversos setores do mercado.

Descentralização


Clientes ficarão menos atrelados aos bancos onde têm conta. Como consequência, isso dá liberdade a eles e melhora a sua experiência de consumo.

Dessa forma, o cliente passa a depender menos de empresas e tem autonomia para executar as suas operações, sem tanta restrição.

Inovação para ERPs como a Conta Azul


Os ERPs e programas SaaS, que ajudam na gestão de empresas e automatização de processos, também ganham com o Open Banking. 

Uma vez que as informações estarão compartilhada, surgem as seguintes vantagens:

  • Aumento da produtividade para empresas contábeis;
  • Alta velocidade para decisões;
  • Acessibilidade de serviços bancários e financeiros;
  • Melhorias no controle do capital de giro;
  • Acompanhamento das contas a receber;
  • Banco de dados integrado;
  • Vantagem competitiva para negócios.

A Conta Azul não vai ficar de fora e já está se preparando para transformar a realidade bancária, oferecendo melhores soluções para empreendedores e pessoas físicas.

Para quem não sabe, a Conta Azul Pro é um ERP 100% online que possibilita às pequenas empresas fazer uma gestão financeira completa e sem burocracia.

Já a Conta Azul Mais é focada nos contadores parceiros e ajuda a otimizar suas rotinas de atendimento, contábil e fiscal. Tudo de forma automática e digital!

Gostou da novidade? Se quiser saber mais sobre a implementação do Open Banking no Brasil, continue acompanhando o blog da Conta Azul!

Você tem uma empresa?  Controle sua gestão em um único lugar: finanças, vendas, notas fiscais e muito  mais. Conheça a Conta Azul Pro. Experimente grátis  Não precisa de cartão, nem de cadastros complexos

Newsletter

Quer ter acesso a
materiais gratuitos?