O que é capital próprio?

Sobre o que estamos falando?

  • O capital próprio engloba os recursos que integram o patrimônio líquido da empresa;

  • Quando positivo, significa que o negócio é lucrativo e pode realizar investimentos; 

  • A gestão financeira pode ser mais simples com ajuda da Conta Azul Pro, ERP online completo e fácil de usar. Teste agora sem pagar nada! 

Experimente grátis a Conta Azul!

 

 

 

 

O termo capital próprio gera dúvidas em muitos empreendedores e isso é bem compreensível. Afinal, a definição desse tipo de recurso financeiro não é tão simples. O mesmo acontece com o seu gerenciamento. 

Você não precisa ser um expert na contabilidade ou no financeiro. No entanto, saber o que é capital próprio é essencial para entender o real cenário das finanças internas. A compreensão deste conceito também ajuda a planejar o crescimento do negócio.

Neste conteúdo, explicaremos melhor sobre esse tipo de capital. Falaremos também sobre a sua importância e diferença entre o capital próprio e capital de terceiros. Acompanhe os próximos tópicos e boa leitura!

O que é capital próprio

O que é capital próprio? 

Capital próprio é a diferença entre tudo o que a empresa possui (ativos) e o que ela devepara terceiros (passivos). Ou seja, é o líquido patrimonial existente na empresa. 

Reunindo as diversas contas que englobam o capital próprio, podemos listá-las assim:

  • Capital social - dinheiro que os acionistas e/ou fundadores aplicaram na empresa;

  • Reserva de lucros - parcela de lucros retida no negócio para um objetivo específico, como a reserva estatutária; 

  • Lucros e prejuízos - movimentações ocorridas no patrimônio líquido em um determinado período, que podem gerar ganhos ou perdas, como o próprio nome já diz.

Na prática, o capital próprio é o valor que o empreendedor, sócios e acionistas têm o direito de embolsar caso o negócio encerre suas atividades. Esse montante tem origemtanto das atividades da empresa, ou seja, das suas vendas, quanto dos investimentos realizados pelo dono. 

Porém, nessa situação, ou seja, caso a empresa fechasse, a retirada seria feita somente após a realização do balanço patrimonial. 

Um dos principais benefícios de analisar o capital próprio é controlar o endividamento, para que os resultados financeiros não fiquem comprometidos. Outra vantagem é conquistar bons investidores para o negócio ou até mesmo abrir uma cota na bolsa de valores. 

Por que é importante o empreendedor entender este conceito?

Primeiramente, o capital próprio serve para fazer uma demonstração de como está a saúde financeira da empresa. 

Vamos pensar em três exemplos de negócios que estão buscando melhorar sua participação no mercado adquirindo outras empresas. O primeiro aspecto a ser analisado é capital próprio, que pode estar: 

  • Nulo: representa a igualdade entre os passivos e ativos financeiros;

  • Positivo: indica que os ativos são superiores aos passivos (um cenário financeiro perfeito);

  • Negativo: aponta que os passivos estão superiores aos ativos (indica que algo está errado com a gestão financeira do negócio).

Portanto, entender e analisar o seu capital próprio oferecerá os insumos necessários para que você, além de saber a real situação das finanças, possa identificar gargalos financeiros e desenhar soluções duradouras. 

Acompanhe os exemplos que ajudarão a entender por que é tão importante compreender este conceito e como uma empresa se comporta em cada tipo (nulo, positivo e negativo). 

Primeira situação: capital próprio negativo

Podemos dizer que uma empresa não está sadia se suas dívidas são maiores que seu patrimônio. Em uma futura venda, este negócio não seria tão bem avaliado quanto se estivesse na situação contrária, ou seja, com todas as suas contas em dia.

Segunda situação: capital próprio nulo

Agora, se a mesma empresa vendesse todos os seus bens e, assim, não tivesse lucro ou prejuízo, seu capital próprio seria nulo. 

Nesse caso, o negócio não está com a saúde tão ruim como citado no tópico anterior, mas o dono deve prestar atenção para saldar as dívidas e começar a finalmente lucrar.

Terceira situação: capital próprio positivo 

A  empresa modelo é aquela que, se vender todos os seus patrimônios, não estará em dívida, ou seja, terá um capital próprio positivo. Um negócio como este tem condições para expandir suas atividades. 

Qual dessas empresas, se fôssemos olhar apenas pelo quesito financeiro, conquistaria a melhor proposta de venda? Não é necessário muito esforço para dizer que a última seria muito mais valorizada.

Conheça os tipos de capital de giro e como eles afetam a sua empresa

Qual a diferença entre capital próprio e capital de terceiros?

Como ficou bem claro nos tópicos anteriores, o capital próprio representa o patrimônio líquido da empresa, ou seja, todos os recursos financeiros do negócio. 

Já o capital de terceiros engloba os recursos financeiros que não pertencem ao negócio e nem integram o patrimônio líquido. Na verdade, são valores pertencentes às pessoas físicas ou jurídicas que não fazem parte da empresa.

Em vez de entrarem no ativo, esses recursos integram o passivo da empresa. Como exemplo de capital de terceiros, podemos citar empréstimos, títulos de crédito e financiamentos. 

A principal diferença entre capital próprio e capital de terceiros é que esses valores são utilizados pelo negócio, mas devem ser devolvidos aos credores com juros e encargos.

Apesar disso, obter essa fonte de capital oferece algumas vantagens como: 

  • Oportunidade de crescimento: muitas vezes o empreendedor tem condições estruturais de aproveitar uma chance de crescer, porém lhe falta dinheiro; 

  • Alavancar as operações - o capital de terceiros pode impulsionar os resultados internos, ajudando na compra de equipamentos para a produção de produtos, por exemplo.

O que é capital próprio

A tecnologia é a aposta certa para monitorar todos os seus lançamentos financeiros

Sem dúvidas, a gestão do capital próprio exige muita atenção e também conhecimentos financeiros. Ao analisar este aspecto, o empreendedor consegue saber de fato a realidade das finanças e montar um bom planejamento estratégico.

Acontece que, para gerenciar o dinheiro que entra e sai da empresa de uma forma assertiva, é preciso ir além dos papéis e das planilhas em Excel. No início, esses recursos podem ajudar mas, com o aumento das vendas, deixam de ser eficientes. 

A Conta Azul Pro é o ERP online completo e fácil de usar que todo empreendedor que deseja acelerar os ganhos precisa conhecer!

Essa tecnologia realiza várias operações financeiras de maneira automática, simples e eficiente. Dentre os recursos disponibilizados pela Conta Azul Pro, está a integração com o contador. Assim, este profissional contará com os insumos necessários para guiar o dono do negócio nas tomadas de decisão. 

Por meio da Conta Azul Pro, você consegue gerenciar do estoque ao financeiro, além de emitir relatórios detalhados, por centro de custos e lançamentos de caixa. Dessa forma, o empreendedor tem em mãos dados preciosos, que ajudam na visualização da gestão financeira.

Podemos citar ainda outra funcionalidade: a emissão de notas fiscais eletrônicas. Esses documentos são gerados sem que você precise digitar as mesmas informações, economizando tempo e trabalho. 

Gostou de saber como a Conta Azul ajuda a gerenciar o seu financeiro?  Faça agora mesmo um teste grátis!

Leia mais 

 

 

 

Faça agora a gestão financeira do seu negócio em um único lugar