Como gerar boleto: guia completo para cobrar seus clientes sem complicação

Sobre o que estamos falando?

  • Do cartão de crédito ao Pix, são muitos os métodos de pagamento disponíveis. Mesmo assim, o boleto bancário continua popular por ser uma das soluções de cobrança mais práticas, flexíveis e seguras;
  • As vantagens de emitir boleto incluem a agilidade no pagamento, a redução de custos operacionais, e a facilidade de cálculo;
  • No Receba Fácil Boleto da Conta Azul, você faz tudo online e em poucos cliques. Ele é integrado ao seu controle financeiro e não exige contrato com o banco.

Experimente grátis a Conta Azul!

 

 

Quer saber como gerar boleto e usar esse meio de pagamento rápido e prático na sua empresa? Tanto os negócios digitais quanto as pequenas empresas podem se beneficiar da combinação de diferentes sistemas de cobrança. Os boletos bancários se destacam pela facilidade de gerenciamento das contas a receber. Quanto mais fácil para os seus clientes, melhor para o seu controle de caixa. Continue lendo e tire suas dúvidas!

De fato, você só tem a ganhar cobrando seus clientes dessa forma. Os boletos bancários trazem inúmeras vantagens tanto para quem vende, quanto para quem compra. Para começar, a emissão deles custa menos para empresas como a sua. E, graças à sua popularidade, acabam por agilizar o recebimento.

A palavra-chave é conveniência. Qualquer consumidor pode fazer o pagamento em bancos, lotéricas, ou pela internet. É por isso que a cobrança do boleto facilita inclusive para aqueles que não têm conta bancária. Além disso, o pagamento via boleto bancário tornou-se ainda mais seguro. O motivo? Os boletos registrados se tornaram obrigatórios no país.

Para entender como gerar boletos, acompanhe nosso guia completo:

Ficou interessado? Então, siga a leitura e comece a gerar boletos o quanto antes.

como-gerar-boleto-guia-completo-para-cobrar-seus-clientes-sem-complicacao

O que é e como gerar boleto bancário?

Antes de explicar como gerar boleto bancário, é importante deixar claro seu significado. O boleto bancário é um título de cobrança emitido por bancos que se tornou um dos principais meios de pagamento do Brasil.

Tanto empresas quanto pessoas físicas podem emitir. O único requisito é contratar uma carteira de cobranças junto ao banco ou instituição financeira habilitada. O processo para emitir boletos é muito simples (e pode ficar ainda mais fácil com ajuda da Conta Azul):

  • Primeiro você, empreendedor, utiliza o sistema para gerar o boleto bancário de cobrança. O boleto nada mais é do que um documento que possui um código de barras e um código numérico, além de valor e data de vencimento.

  • Segundo, envia este documento para o cliente de forma física em papel, ou como arquivo digital, em formato PDF. O cliente digita o código ou escaneia com um leitor de código de barras para identificar a compra. No caso de internet banking ou apps, o valor é descontado da conta. No caso de lotéricas, o pagamento pode ser feito com dinheiro em espécie.

Outro aspecto interessante é que o boleto facilita o planejamento. O boleto pode ser emitido em modelo avulso ou em formato de carnê. O carnê é uma série de boletos que podem ser emitidos juntos, porém com vencimento em datas diferentes. Portanto, é útil para viabilizar compras parceladas. 

Se você deseja disponibilizar este recurso para os seus clientes, é importante que as informações contidas nele sejam estruturadas corretamente. Alguns campos específicos são obrigatórios, garantindo que o valor pago chegue ao destino (sua conta). Se você tem dúvidas sobre o preenchimento das informações, siga em frente. Explicaremos tudo a respeito desses dados nas próximas sessões.

Tipos de boleto bancário: simples vs. com registro

O boleto pode ser apresentado de duas maneiras: avulso ou no formato de carnê. O boleto avulso é um documento para compra à vista, em uma única operação. Já o carnê é o nome dado às cobranças em prestações

Bons exemplos disso são valores de uma assinatura, sendo uma cobrança recorrente. Na origem, o termo carnê está associado ao pagamento de um empréstimo, como consórcios ou compras parceladas.

Se você é 'das antigas', já deve ter ouvido falar dos boletos “simples”. Contudo, esta categoria foi extinta em 2018 para aumentar a segurança desses procedimentos. Desde então, mantêm-se os boletos do tipo “registrado”. Confira as características de ambos para entender esta evolução:

Boleto simples ou sem registro: o contexto antigo

Nas carteiras do modelo simples, o boleto sem registro era emitido por uma empresa sem que o banco fosse informado. Semelhante aos recibos de pagamento, neles constavam apenas os dados sobre o que foi comprado. As informações sobre quem pagaria pela cobrança, valor, e prazo de vencimento não eram inseridas.

Muitas empresas optavam por esse modelo porque os bancos só cobravam pelo documento pago. A taxa estava na execução do pagamento, não na emissão. Na prática, isso significava que, se o cliente desistisse da compra, não era preciso pagar pelo serviço bancário. Além disso, a taxa bancária era  mais baixa mesmo para os títulos quitados.

No entanto, essa flexibilidade também reduzia o controle sobre a cobrança. As oportunidades de fraude eram muitas. Por isso, a Febraban decidiu extinguir o boleto simples. O fim do modelo veio em setembro de 2018. Desde então, todos os boletos de cobrança devem ser gerados com registro — ou seja: o boleto simples não é mais aceito. As novas regras provêm do projeto Nova Plataforma de Cobrança.

Desde então, é permitida somente a versão registrada para tornar as cobranças mais seguras. O objetivo do projeto era modernizar o sistema de cobrança brasileiro. Segundo dados da própria organização, o sistema evitou um prejuízo de mais de R$ 450 milhões anuais em fraudes. Também reduziu a necessidade de saques em dinheiro no valor de R$ 5,1 bilhões em 2019.

Esse avanço foi possível graças à identificação do emissor e pagador do boleto e facilidade de rastreamento dos pagamentos. Como os documentos são registrados na plataforma, as informações podem ser conferidas e validadas. Em caso de inconsistências, o pagamento não é autorizado. Entenda melhor esses detalhes adiante.

Cobrança com registro: o boleto bancário confiável

O novo tipo de boleto traz consigo a cobrança registrada, com a presença dos dados de identificação e rastreio. A empresa que vende precisa identificar e comunicar ao banco:

  • O nome e CPF ou CNPJ do cliente;

  • O valor da compra;

  • A data-limite para pagamento;

  • A incidência ou não de juros após o prazo;

  • Locais em que o boleto pode ser pago, como redes bancárias específicas.

Ao gerar o boleto com registro, um arquivo é criado e enviado pelo cedente para o banco. A operação passa a ser formalizada no sistema. Dessa forma, a empresa tem mais controle dos processos de venda e o consumidor tem mais segurança para fazer o pagamento. O negócio também evita erros de cálculo sobre multas e encargos quando os boletos vencem.

A maior rigidez no controle ainda proporciona que você faça o protesto dos boletos não pagos. Se o serviço for realizado, ou o produto entregue, o boleto afirma que houve a entrega. 

A exceção são as lojas virtuais ou outra venda pré-paga. Se o pagamento for antecipado, o boleto não-pago é cancelado sem direito a protesto. Nada mais justo já que nenhum produto ou serviço foi entregue ainda.

 

como-gerar-boleto-guia-completo-para-cobrar-seus-clientes-sem-complicacao-2

 

Como funciona o processo de pagamento via boleto?

Para gerar um boleto de cobrança, o primeiro passo é abrir uma conta-corrente. É obrigatório o cadastro em uma instituição que ofereça esse serviço. Antigamente, somente os grandes bancos ofereciam carteiras de cobrança. Com a democratização do mercado financeiro, empreendedores agora optam por um leque maior de opções. Já é possível emitir boletos usando fintechs, bancos digitais e outras instituições financeiras.

O processo de emissão também é muito simples. Diversas ferramentas e sistemas  organizam os dados rapidamente e de forma 100% segura. Com elas, a pessoa física ou jurídica responsável pela cobrança (cedente) identifica o cliente (sacado). Depois, basta estabelecer um prazo para o pagamento, que é a data de vencimento.

Já o pagamento, em si, pode ser feito de diferentes maneiras para a conveniência do consumidor:

  • Para clientes que possuem conta bancária, por exemplo, há vários canais de atendimento. Além do balcão (boca do caixa) nas agências, terminais de autoatendimento, internet banking, atendimento telefônico e aplicativos de smartphone.

  • Casas lotéricas, agências dos Correios com Banco Postal e correspondentes bancários de maneira geral também recebem o pagamento. Aqui prevalece o pagamento em dinheiro e cartão de crédito, garantindo o acesso às pessoas que não têm conta bancária.

Uma vez quitado, o valor é creditado na conta da empresa, dentro de um prazo fixado pela instituição financeira. Este processo costuma levar  entre um e três dias úteis. 

Isso é fundamental para a previsibilidade do caixa! Quem emitiu o boleto tem controle sobre quais documentos estão em aberto e quais foram pagos. Ficam mais fáceis os processos de revisão de inadimplentes e liberação de mercadorias, por exemplo.

A importância para os desbancarizados

Além de ser muito prático, o boleto bancário também é uma das formas de pagamento mais acessíveis no país. Principalmente para a população que não possui conta corrente ou acesso a serviços financeiros. Chamamos essas pessoas de desbancarizadas.

De acordo com pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva e publicada em 2021 pela Valor Investe, o Brasil tem 34 milhões de desbancarizados. Juntos, eles movimentam mais de R$347 bilhões fora da rede bancária do país. Para essas pessoas, o boleto é o melhor meio de pagamento. Ele pode ser pago em qualquer lotérica, caixa de supermercado ou agência dos Correios.

Entre as empresas, a desbancarização também é uma realidade. De acordo com uma pesquisa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) publicada na PEGN, 30% das pequenas empresas do país não possuem conta bancária. Ou, sequer, relação com bancos comerciais. Mesmo nesses casos é possível emitir os boletos por meio de plataformas intermediadoras.

Números do pagamento com boleto no país

Segundo dados da Febraban, mais de 6 bilhões de boletos bancários são pagos todo ano no Brasil. Outra pesquisa, realizada pela fintech Acordo Certo, mostra que 48,11% dos brasileiros ainda preferem pagar boletos nas casas lotéricas. Já o internet banking vem em segundo lugar, com 35,20% da preferência.

Mesmo com as mudanças trazidas pelo isolamento social, o boleto se manteve soberano. Contudo, mudou a preferência do local de pagamento. Houve uma queda de 17,9% na escolha das lotéricas e crescimento de 14,24% dos pagamentos pela internet. A pandemia também impulsionou os pagamentos de boletos em caixas de supermercados em 90,32%.

Para aqueles que têm o hábito de comprar online, ele é o meio de pagamento principal. 75% dos e-consumidores utilizam o boleto bancário para pagar suas compras virtuais. Os dados são da E-commerce Brasil. Segundo os entrevistados, o meio de pagamento é vantajoso devido às baixas taxas cobradas.

Ao que parece, o boleto ainda será relevante por muito tempo na economia. Este método de pagamento está inserido no processo de transformação digital e faz parte da cultura de pagamento dos brasileiros.

como-gerar-boleto-guia-completo-para-cobrar-seus-clientes-sem-complicacao-3

Como emitir boleto bancário em 5 passos

Agora que você já conhece bem o boleto bancário, só falta aprender a emitir esse documento na sua empresa. Veja como gerar boletos em poucos passos.

1. Abra uma conta corrente

O primeiro passo para gerar boletos bancários é abrir uma conta corrente compatível com serviços de cobrança, onde você possa receber o dinheiro das vendas. Como já mencionamos, existem várias opções de bancos tradicionais e fintechs que oferecem essa função para os clientes. Preferencialmente, você deve abrir uma conta PJ (Pessoa Jurídica) para separar as finanças pessoais das empresariais.

2. Verifique as taxas e condições do serviço

Antes de gerar boletos, é importante conferir se a instituição cobra taxas para emissão, alteração ou cancelamento. Vale revisar o contrato para entender se você terá direito a protestos e como funciona a transferência do dinheiro para a sua conta. Em alguns casos, você também pode ganhar descontos conforme a quantidade de boletos que precisa emitir mensalmente.

3. Escolha um sistema para emissão

Para empresas que emitem vários boletos, não é nada prático utilizar o próprio sistema do banco e ter que gerar documentos um a um. Por isso, é importante escolher uma plataforma emissora — de preferência, integrada ao seu ERP e com funções de automatização de processos de cobrança e gestão financeira.

4. Siga os passos da ferramenta

Após escolher sua ferramenta para gerar boletos, você só precisa seguir os passos indicados no sistema, que costumam ser intuitivos. Lembre-se de registrar todos os documentos com os dados da empresa (cedente) e do cliente (sacado). No final do processo, você terá a opção de enviar o boleto para o cliente via e-mail ou encaminhar o link para o documento em PDF.

5. Controle o pagamento dos boletos

Após gerar seus boletos, é importante acompanhar o pagamento de cada documento ou das parcelas de carnê. Em alguns sistemas, você tem a opção de enviar lembretes de pagamento para que o cliente não se esquecer. Você consegue também monitorar títulos vencidos e definir estratégias para combater a inadimplência.

Como gerar boleto bancário: campo a campo

O preenchimento correto de cada um dos campos do boleto ainda gera muitas dúvidas entre empreendedores. São eles:

  • Nome do cedente (empresa que ofereceu o produto ou serviço);

  • Agência/código do beneficiário (ou código do Cedente);

  • Valor do título (em moeda corrente, no caso: reais);

  • Vencimento (data limite para pagamento sem juros, mora nem multas);

  • Nosso número (sequência digitável, equivalente numérico do código de barras);

  • Nome do sacado (pessoa ou empresa que fez a compra).

Além desses campos, podem existir juros, mora, multas e descontos baseados em condições de pagamento. Confira a seguir a descrição detalhada de cada campo para preenchê-los adequadamente. Assim você evita atrasos no recebimento dos valores devidos.

Sacado

Em um boleto de cobrança, sacado é quem paga o boleto — ou seja, é o cliente que está sendo cobrado. No caso das cobranças registradas, a identificação do CPF ou CNPJ é obrigatória.

Cedente

O cedente é quem emite a cobrança para receber. Quando o documento é pago, o valor é debitado em conta-corrente. Em outras palavras: cedente é a empresa que gera o boleto para receber pelas vendas.

Agência/Código Beneficiário ou Código do Cedente

O número da agência tem três ou quatro dígitos. Quando a agência é identificada por cinco, o dígito verificador normalmente não é usado. Já o código beneficiário, antigamente chamado código do cedente, tem de seis a 12 dígitos, conforme a carteira do banco.

Valor do Título

Valor do título é o preço da compra ou contratação, apresentado em reais, a moeda corrente do Brasil. É obrigatório informar também quais são as condições do pagamento — incluindo juros, multa e mora, além de descontos.

Vencimento

Trata-se do prazo máximo para pagar o título sem juros, mora e nem multas. No caso do boleto registrado, com a nova regra, é possível pagar um boleto em qualquer casa lotérica, agência ou correspondente bancário mesmo depois da data de vencimento. A empresa pode, inclusive, oferecer um pagamento com desconto para o cliente que quitar a cobrança antecipadamente.

Juros e multa de mora

A mora é definida no Código Civil brasileiro como um atraso no pagamento por responsabilidade do cliente. Em um boleto, pode haver juros de mora — um percentual definido por mês, cobrado proporcionalmente aos dias de atraso — e/ou multa de mora — um percentual aplicado uma única vez, a partir do dia seguinte à data de vencimento.

Nosso Número

Um dos itens obrigatórios da ficha de compensação de um boleto, o chamado “nosso número”, é uma sequência de dígitos que identifica o documento e compõe a linha digitável. Ele é exclusivo, não pode ser repetido e carrega todas as informações registradas junto ao banco. O tamanho do nosso número varia conforme o banco e a carteira de cobrança.

Linha digitável

A linha digitável é a sequência de dígitos que identifica o banco, carteira de cobrança, nosso número e valor da cobrança. Os primeiros três dígitos referem-se ao código de compensação do banco emissor. O quarto indica a moeda: para cobranças em reais, o número é o 9, já para outras moedas, o 8.

A data de vencimento também é definida com o cálculo de dias corridos a partir de 7 de outubro de 1997, a chamada data-base, que é o dia fixado pelo Banco Central como marco para esse tipo de cobrança. Os últimos dígitos indicam o valor do vencimento, sem vírgulas. No total, a linha digitável costuma trazer uma sequência de 48 algarismos.

Código de barras

Em um boleto de cobrança, o código de barras é a representação da linha digitável para máquinas. Existem diversos padrões de código de barras para fins específicos, de modo que a combinação da espessura das barrinhas cria uma figura única, com variações quase imperceptíveis ao nosso olhar, mas diferentes o bastante para a leitura por máquinas.

Por último, vale mencionar que os boletos também podem conter QR Codes — códigos lidos pela câmera do celular — para facilitar o pagamento.

como-gerar-boleto-guia-completo-para-cobrar-seus-clientes-sem-complicacao-4

Como receber por boleto bancário?

Agora que você já sabe como gerar boleto e quais são os principais campos do documento, chegou a hora de fazer as cobranças. A lógica para o recebimento é simples: o cedente emite o boleto e envia para o sacado (seja no seu endereço físico ou email). O envio precisa ser feito em tempo hábil para o pagamento, de 5 a 10 dias antes do vencimento. 

Depois que o cliente paga o boleto, o banco recebe o valor e credita na sua conta dentro do período previsto em contrato. Se a instituição financeira cobrar alguma taxa pelo serviço, ela já é debitada automaticamente. 

Normalmente, o tempo de compensação é de 3 a 5 dias corridos, seguindo a validação do banco e do cedente. Quando é a própria instituição que emite o boleto, esse tempo costuma ser menor, porque não existe essa intermediação.  

Os empreendedores que optam por receber via boleto bancário ainda podem escolher entre diferentes plataformas. Confira os principais modelos para gerar o documento e os benefícios de cada um: 

Bancos tradicionais

Todos os bancos tradicionais oferecem o serviço de geração de boletos para os empreendedores. A dica é ter bastante critério na hora de escolher a instituição financeira. Cada banco tem suas próprias taxas de emissão, e você precisa escolher uma que seja vantajosa para a sua empresa. 

Para você ter ideia, os valores de emissão podem ir de R$1,50 a R$10, em média. Avalie bem a qualidade do serviço oferecido e as condições. Assim você escolhe a opção mais alinhada às suas necessidades.  

Bancos digitais 

Os bancos digitais se popularizaram muito nos últimos anos. Eles são muito mais práticos do que os tradicionais. Afinal, todos os serviços podem ser acessados na palma da sua mão, sem filas e com pouca burocracia.

Normalmente, a emissão do boleto é igual a dos bancos “comuns”: você acessa o aplicativo da instituição e realiza o processo. A diferença é que muitos serviços digitais não exigem liberação prévia. O boleto já está lá para ser usado em contas de Pessoa Jurídica, normalmente. 

Outro ponto importante é que os bancos digitais costumam ser mais econômicos. É comum que não existam tarifas de manutenção e as taxas quase sempre são mais baixas — ou até mesmo inexistentes.  

Intermediadores

Os serviços oferecidos pelos intermediadores funcionam como uma “ponte” entre sua empresa, seus clientes e a instituição financeira. O foco é em quem vende pela internet. Estes serviços disponibilizam ferramentas de pagamentos integradas aos e-commerces. 

Sabe quando você compra um produto em um site e, na hora de fechar o pedido, é direcionado às opções de pagamento para concluir a operação? É o intermediador que proporciona essa funcionalidade.

Além de facilitar a vida dos empreendedores que procuram saber como gerar boleto de um jeito mais prático no comércio online, esse tipo de solução agrega outras formas de recebimento, como cartão de crédito, transferência etc. 

Sistemas de gestão

Como explicamos anteriormente, é recomendado para todo empreendedor contar com um bom sistema de gerenciamento e cobranças. Por meio dele, você integra todos os controles financeiros, fiscais, de estoque e outros em um só lugar. Mais que centralizar a gestão da sua empresa, o sistema automatiza os processos de cobrança. 

Isso significa que todo o processo de como gerar boleto se torna mais prático, menos burocrático e totalmente integrado à saúde financeira do seu negócio. A melhor parte é que:

  • O cadastro é simples, feito diretamente no sistema;

  • O dinheiro é transferido automaticamente para a sua conta e a tarifa só é cobrada depois que o cliente pagar;

  • Todos os dados de cobrança são obtidos automaticamente a partir das vendas, sem preenchimentos manuais;

  • O consumidor recebe lembretes de pagamento, diminuindo as taxas de inadimplência. 

São muitas vantagens, não é mesmo? Continue a leitura e descubra como escolher o sistema perfeito para o seu negócio, ou acesse o site da Conta Azul para saber mais

Quais são as vantagens de receber por boleto bancário?

É inegável que várias outras formas de pagamento (cartão de débito e crédito, links de pagamento, QR Code, pagamento pelo app, etc.) entraram em evidência. Contudo, o boleto continua sendo vantajoso para as empresas. Confira alguns dos benefícios que ele proporciona.

1. Agilidade na cobrança

Para as micro e pequenas empresas, saber como gerar boleto é essencial para fazer cobranças com mais agilidade e eficiência. Em vez de visitar um cliente para faturar ou ter que passar o cartão pessoalmente, basta enviar o documento digital por email ou impresso via correspondência.

2. Redução de custos operacionais

Outra vantagem clara do boleto para as empresas é a redução de custos operacionais com pagamentos. Para você ter uma ideia, a taxa para emissão de um boleto registrado varia entre R$ 1,50 e R$ 10,00 no mercado de serviços financeiros atual (2020).

Se considerarmos os custos de aluguel da maquininha e taxas cobradas pela antecipação, por exemplo, o pagamento com cartão de crédito pode sair bem mais caro para a empresa. De qualquer forma, é importante oferecer várias formas de pagamento ao consumidor — mas o boleto, sem dúvida, é uma das mais econômicas.

3. Recebimento rápido

Os empreendedores também preferem os boletos pela rapidez com que recebem o dinheiro das vendas. Enquanto um pagamento com cartão de crédito pode demorar mais de 30 dias para cair na conta da empresa, o boleto leva no máximo 3 dias úteis para ser compensado. Assim que ocorre a compensação bancária, o dinheiro cai imediatamente na conta do negócio.

4. Possibilidade de oferecer descontos

Graças à redução de custos e recebimento rápido proporcionados pelos boletos, as empresas podem oferecer descontos para os clientes que optam por essa forma de pagamento. Logo, eles também funcionam como estratégias para aumentar as vendas. No volume, tanto o empreendedor quanto o consumidor saem ganhando.

5. Diversificação de formas de pagamento

Atualmente, oferecer diversas formas de pagamento aos clientes é um diferencial importante para qualquer negócio. Quanto mais opções você tiver em mãos, melhor será para o consumidor, que poderá escolher seu meio de pagamento preferido e não terá motivos para procurar a concorrência. E o boleto, como vimos, é uma opção essencial para quem não possui cartões ou conta bancária.

6. Cálculo facilitado em caso de atraso

O cálculo das multas e juros de mora pode ser definido pelo emissor do boleto — o que facilita muito a cobrança em caso de atraso no pagamento. Os clientes não precisam mais ir até a agência do banco emissor para pagar um boleto vencido: basta usar as mesmas formas de pagamento válidas para o documento dentro do prazo. A diferença é que os juros e multas serão calculados automaticamente no ato do pagamento, independentemente do canal escolhido.

7. Controle de recebimento

Os boletos também facilitam o controle dos recebimentos para as empresas, que conseguem acompanhar cada documento emitido, vencido ou quitado em sistemas digitais. No caso de vendas no modelo de receita recorrente, alguns sistemas permitem que você automatize o envio de notas fiscais e boletos de cobrança, agilizando ainda mais a rotina do negócio. Além disso, os boletos podem ser integrados às contas a receber, tornando o controle financeiro muito mais eficiente.

8. Possibilidade de protesto

Caso um boleto referente a produtos já entregues ou serviços já realizados não seja pago, também é possível recorrer ao protesto como última alternativa para tentar recuperar o dinheiro. O título pode ser protestado em cartório e o devedor tem três dias úteis para regularizar a dívida, ou corre o risco de ser negativado nos órgãos de proteção ao crédito como SPC e Serasa.

9. Mais segurança para empresa e cliente

Por fim, o boleto bancário ainda é uma das formas de pagamento mais seguras para empresas e clientes. Com a obrigatoriedade dos boletos registrados, o risco de fraudes foi bem reduzido, junto com as inconsistências nos pagamentos e problemas como pagamento duplicado.

como-gerar-boleto-guia-completo-para-cobrar-seus-clientes-sem-complicacao-5

Escolhendo o melhor sistema para gerar boletos

O melhor sistema para gerar boletos é aquele que automatiza suas cobranças e economiza seu tempo para focar no que realmente importa, não é mesmo? 

Com ele, você se preocupa menos com conciliação bancária e tarefas manuais. O resultado é a otimização das suas tarefas. Você tem mais disponibilidade para lidar com questões importantes do seu negócio.

Na hora de definir como gerar boleto de um jeito eficiente, dê prioridade para um sistema que tenha:

  • Praticidade: emissão descomplicada, preenchimento automático de dados do cliente, cálculos de juros já nas cobranças, avisos de pagamento, relatórios sobre os boletos emitidos, compensados, reemitidos, cancelados, entre outras facilidades;

  • Segurança: proteção para os dados e confiabilidade em toda movimentação de valores. O ideal é que o sistema esteja em conformidade com as práticas recomendadas pelo Banco Central. Assim, ele garante total controle dos valores pagos pelos clientes, com atualização automática do controle de contas a receber e baixa nas parcelas recebidas; 

  • Custo-benefício: custo zero para cadastro da sua conta, emissões, alterações de dados, cancelamentos e transferências. As taxas precisam ser vantajosas e o funcionamento livre de burocracias. 

Se você ainda tem dúvidas sobre o melhor sistema para a sua empresa, confira abaixo todos os benefícios que a Conta Azul oferece na geração de boletos. 

Como gerar boletos registrados com a Conta Azul?

Após aprender como gerar boleto, é provável que você sinta a necessidade de adotar um sistema para agilizar a emissão desses documentos. Fica fácil cobrar seus clientes com mais eficiência!

Uma alternativa é utilizar o Receba Fácil Boleto da Conta Azul. A solução emite boletos integrados ao controle financeiro do seu negócio e sem a necessidade de fechar contrato com o banco. É preciso apenas uma conta bancária normal.

Tudo é resolvido online e com poucos cliques, da contratação à emissão, do envio ao controle de recebimentos. Ou seja: você não precisa mais mexer com arquivos de remessa e retorno. O Receba Fácil gera boletos com muito mais praticidade.

Com o Receba Fácil Boleto, você tem as seguintes vantagens:

  • Não há limite para a emissão de boletos;

  • Processo rápido e online para configuração e aprovação da conta;

  • Não precisa gerar arquivo de remessa e nem arquivo de retorno dos boletos emitidos;

  • A conciliação bancária e a baixa são automáticas;

  • Não possui taxa para a emissão, alteração e nem para o cancelamento do boleto. A taxa é paga apenas quando o cliente realiza o pagamento do boleto;

  • Após o banco identificar o pagamento do boleto, o valor é transferido de forma automática para a sua conta em até 2 dias úteis;

  • A transferência do dinheiro é 100% gratuita;

  • São aceitos os seguintes bancos: Banco do Brasil, Santander, Itaú, Caixa Econômica, Bradesco, Sicredi, Sicoob, Banco BS2, Banrisul, Inter e BRB - Banco de Brasília;

  • O valor do boleto é de apenas R$3,50 por boleto recebido;

  • Você pode enviar os boletos automaticamente para os seus clientes através da opção de Contratos;

  • Você pode enviar lembretes de vencimento dos boletos automaticamente para os seus clientes.

E então, ficou claro como gerar boleto e por que vale a pena automatizar essa rotina no seu negócio? Com o apoio da Conta Azul, sua vida fica mais fácil, e a emissão de boletos, muito mais prática.

Faça agora seu teste grátis e comprove os benefícios da Conta Azul na prática!

 

Newsletter

Quer ter acesso a
materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:*