Bloco K do Sped Fiscal: Mudanças no horizonte

Bloco K do Sped Fiscal: Entenda

Se você tem uma indústria, é bom ficar atento: a partir do próximo ano, o livro de registro de controle de produção e estoque ganha escrituração fiscal digital. A obrigatoriedade de preenchimento e entrega mensal do chamado Bloco K do SPED Fiscal será implantada integralmente até 2019, mas vale conhecer desde já as regras para adequar os processos internos.

Emita Notas Fiscais de sua empresa dentro de um sistema de gestão para evitar erros

Atenção: Confira aqui informações sobre como emitir NF-e.

O que é o Bloco K do SPED Fiscal

Antes de falar do Bloco K, é preciso contextualizar rapidamente o SPED Fiscal. A sigla se refere ao Sistema Público de Escrituração Digital, iniciativa federal criada na década passada para contribuir com a informatização da relação entre a Receita Federal e os contribuintes.

São três tipos de SPED: o Contábil (ECD), a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e o Fiscal (EFD), que registra a apuração dos impostos IPI e ICMS em um arquivo digital, trazendo documentos de interesse de órgãos de fiscalização federal, estaduais e municipais.

O arquivo Escrituração Fiscal Digital (EFD) deve ser gerado mensalmente pela empresa contribuinte, sendo transmitido à Receita Federal via internet. Além de facilitar a entrega, também elimina a necessidade de acumular documentos em papéis e qualifica o monitoramento e fiscalização.

O Bloco K é a novidade desse processo. Ele se refere ao controle da produção e do estoque, prestando informações sobre o que é produzido e consumido (insumos) e também a respeito do estoque final escriturado, já descontadas entradas e saídas.

Gradativamente, a implantação do novo bloco do SPED Fiscal deve exigir das empresas contribuintes um maior rigor sobre seus processos - o que pode ser visto como vantajoso. Se não houver excelência no controle de estoque, podem ocorrer  divergências nas informações enviadas ao Fisco, acarretando em multas e suspensão de serviços, como a emissão de notas eletrônicas.

Cronograma de mudanças

A obrigatoriedade de entrega do Bloco K será aplicada em três momentos, a começar já no próximo mês de janeiro. Confira:

Em 2017:

  • Indústrias de Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) 10 a 32
  • Empresas cujo faturamento anual seja superior a R$ 300 milhões
  • Participantes do Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado (Recof) ou regimes alternativos.

Em 2018:

  • Empresas com faturamento superior a R$ 78 milhões.

Em 2019:

  • Todas as demais empresas que recolhem IPI e ICMS.

Microempreendedores individuais (MEI), micro e pequenas empresas optantes pelo Simples Nacional como regime tributário estão dispensados da apresentação do livro de registro de controle de produção e estoque, conforme previsto na Resolução nº 94 do Comitê Gestor do Simples Nacional. Por isso, não são obrigados a entregar o Bloco K.

O que registrar no Bloco K

O bloco K é composto por nove registros e seus diferentes campos, que devem ser preenchidos e entregues mensalmente dentro do arquivo da EFD, relativo ao SPED Fiscal. Saiba quais são eles:

K001: abertura do Bloco K

Deve ser gerado para abertura do bloco e traz um indicador de movimento, informando se há registros de dados nele.

K100: período de apuração do ICMS e IPI

Informa a data inicial e a data final de apuração do ICMS ou do IPI, prevalecendo os períodos mais curtos. Se o contribuinte tem mais de um período de apuração no mês, deve declarar um K100 para cada período no mesmo arquivo.

K200: estoque escriturado

Considera o período de apuração do K100 para informar o estoque final escriturado, separando o registro por tipo de estoque e por participante (considerando pessoa diferente do informante do arquivo). Abrange mercadorias para revenda, matéria-prima, embalagens, produtos em processo, produtos acabados, subprodutos e outros insumos. Como tipo de estoque, informa se é de propriedade e se está em posse do informante ou de terceiros.

K220: outras movimentações internas entre mercadorias

Informa a movimentação interna de mercadorias, à exceção de itens de produção acabada e de consumo no processo produtivo, que possuem registros próprios. A reclassificação de um produto em outro código é exemplo.

K230: itens produzidos

Informa a produção acabada de produto em processo e de produto acabado. Traz data de início e conclusão da ordem de produção, além da quantidade de produção acabada. Se ela for igual a zero, mas houve o registro de consumo no processo produtivo, a produção em elaboração não é quantificada, pois não se enquadra nem como produto, nem como insumo.

K235: insumos consumidos

Informa o consumo de mercadoria no processo produtivo, estando vinculado ao produto informado no registro K230. Entre seus campos, traz a data de saída do estoque para alocação ao produto e a quantidade consumida do item.

K250: industrialização por terceiros - produção

Traz dados sobre os produtos que foram industrializados por terceiros. Seus campos informam a data do reconhecimento da produção ocorrida no terceiro e também a quantidade produzida, considerando o que retornou do terceiro e a variação de estoque ocorrida.

K255: insumos por terceiros - consumo

Traz dados sobre a quantidade de consumo do insumo que foi remetido para ser industrializado em terceiro, estando vinculado ao produto informado no registro K250. Informa a data do reconhecimento do consumo do insumo e a quantidade consumida para se ter a produção acabada.

K990: encerramento do Bloco K

Informa o encerramento do Bloco K, incluindo entre os dados a quantidade de linhas registradas nele, considerando também os próprios registros de abertura e de encerramento.

Considerações finais

Se a sua empresa está entre aquelas que devem entregar o Bloco K nos próximos anos, é importante se preparar. Ao empreendedor, cabe se informar sobre o atendimento às exigências, planejar ajustes no controle de estoque, orientar e capacitar a equipe e buscar auxílio especializado.

Esse suporte do qual falamos se dá de duas formas: recorrendo a um contador de confiança e adotando um sistema de gestão compatível com a entrega do Bloco K. Dessa forma, há mais segurança na hora de encaminhar as informações, evitando erros e prevenindo multas, além da economia de tempo no cumprimento da obrigação fiscal.

Notas fiscais: tudo o que você precisa saber  Preparamos uma semana especial com webinars gratuitos sobre nota fiscal.  Aproveite para tirar todas as suas dúvidas: da emissão à gestão financeira. Assista agora

E você, já se considera preparado para o Bloco K do SPED Fiscal? Comente.

Newsletter

Quer ter acesso a
materiais gratuitos?